Resultado do Censo Startup dá bom panorama do contexto de inovação e amadurecimento que estamos vivendo!

Não é só o aumento das startups brasileiras que mostra o cenário de inovação e de amadurecimento que o país tem vivido no empreendedorismo, mas também a criação de empresas extremamente estratégicas e valiosas por aqui.

Prova disso foi a chegada ao posto de unicórnio que as startups 99, PagSeguro e Nubank alcançaram em 2018.

Sim, essas empresas já valem mais de US$ 1 bilhão!

Pra deixar isso ainda mais interessante, empresas como Guia Bolso, Movile e PSafe estão bem próximas dessa marca.

Qual é a conclusão?

Que o cenário brasileiro está bem avançado com relação a novas ideias promissoras, capazes de oferecer solução de problemas e melhoria na vida das pessoas.

E foi exatamente isso que mostrou a primeira edição do Censo de Startup, uma pesquisa recente compilada pela StartSe, uma plataforma especializada em conteúdo para empreendedores.

Nesse artigo você vai ter acesso a diversas informações dessa pesquisa e vai concluir, assim como eu, que o cenário das startups brasileiras é bastante animador para a competitividade do nosso país.

Então vamos lá!

Como funcionou a pesquisa feita especialmente para o contexto das startups brasileiras?

A primeira edição do Censo de Startup contou com 2900 fundadores de empresas de tecnologia, investidores, entre outros agentes desse universo no Brasil.

Entre as 779 startups que participaram, 70% foram fundadas em 2016 e 2017. Portanto, a média de vida delas fica entre 5 meses e 2 anos.

Foram ouvidos também 550 investidores e interessados em investir, 331 empresas e 658 mentores de empreendedores, e a captação das informações aconteceu entre julho e dezembro de 2017.

Para você ter uma ideia do cenário atual dessas empresas no país, mais da metade das startups brasileiras conseguiu escalar os seus negócios e aumentou as vendas, algumas inclusive a partir da conquista de grandes investimentos.

Quer isso em números?

Então vamos lá: um quinto das startups brasileiras que conseguiram investimentos receberam mais de R$ 500.000,00. Entre elas, metade se diz pronta para operar em outros mercados.

Os outros 43% estão na fase de testes para tentar validar o modelo de negócios.

Mas afinal, qual é o cenário das startups brasileiras?

Vamos aos demais resultados do Censo de Startup?

Entre as estudadas:

– 5% estão desenvolvendo a hipótese

– 38% estão validando a hipótese

– 36% já têm um modelo de negócio testado e estão avançando nas vendas

– 21% estão escalando o modelo de negócio

Apesar de ser alto o percentual de empresas em fase de validação, ou seja, com negócios que podem não vingar, grande parte delas já finalizou os testes, colocou o negócio pra rodar e está realizando as tão esperadas vendas.

Além disso, um percentual bastante satisfatório está na corrida pelo ganho em escala, o que é bastante interessante para o crescimento da empresa no mercado.

Entre as que conseguiram investimento

– 52% receberam menos de R$ 100.000,00

– 22% receberam entre R$ 1001.000,00 e R$ 500.000,00

– 20% receberam mais de R$ 500.000,00

– 6% não informaram

Não necessariamente quem recebeu mais investimento tem mais chance de sucesso.

Algumas possuem soluções tão simples (mas tão eficazes), que pouco investimento já basta para o negócio atingir o patamar esperado.

Como as startups brasileiras estão usando o investimento?

Como é de se esperar, a maioria das startups brasileiras tem usado o valor do investimento para financiar o crescimento e não para lucrar:

– 46% estão investindo no crescimento

– 16% chegaram no equilíbrio entre receitas e custos

– 13% estão lucrando

– 25% estão em estágio inicial ou não informaram

Donos de startups brasileiras tão novas no mercado como as que participaram da pesquisa sabem bem que o investimento não visa lucro, mas sim o crescimento dos seus negócios.

A ideia precisa primeiro acontecer, para depois gerar lucro.

Perfil das empresas

Entre os setores que mais interessam aos investidores, estão, nessa ordem:

1 – Tecnologia da Informação

2 – Educação

3 – Financeiro

No cenário das startups brasileiras que participaram da pesquisa, os setores mais encontrados são, nessa ordem:

1 – Tecnologia da Informação

2 – Comércio

3 – Educação

Já os modelos de negócio mais atrativos para os investidores são:

1 – Softwares de serviço (15%)

2 – Assinatura digital (15%)

3 – Aplicativos para celular (13%)

Os modelos de negócios mais presentes na startups brasileiras estudadas são:

1 – Assinatura digital (17%)

2 – Serviços de consultoria (14%)

3 – Marketplace (14%)

O público-alvo mais visado pelos investidores é:

1 – Outras empresas – B2B (33%)

2 – Outros consumidores finais  – B2C (21%)

3 – Outros consumidores finais e empresas – B2B2C (21%)

Na realidade das startups brasileiras estudadas, o que predomina em termos de público-alvo é:

1 – Empresas – B2B (34%)

2 – Consumidor final – B2C (24%)

3 – Consumidor final e empresas – B2B2C (22%)

Esses dados mostram que o Brasil tem realmente amadurecido em empreendedorismo e que está muito avançado em termos de inovação.

E você, o que acha do cenário das startups brasileiras? Comente aqui!