O que fazer quando, mais uma vez, você se encontrar em um beco sem saída profissional? A solução passa longe das fórmulas mágicas dos gurus modernos e reside em uma de nossas mais íntimas habilidades. Descubra qual é.

Imagine essa cena: você com vinte e oito anos, sem nunca ter cursado uma faculdade, morando em um quarto minúsculo pagando duzentos e trinta reais, trabalhando seis dias por semana das sete da manhã até nove da noite como repositor de um supermercado onde você recebe um salário de quatrocentos e quarenta e um reais; descobre no dia do pagamento que você não apenas não vai receber o salário do mês como também foi proibido de fazer compras fiado. Bate o desespero, certo? O que você faria? Relaxa não vim aqui contar para você outra história de uma pessoa com um sonho e que venceu todos os obstáculos e se tornou referência no mercado. Essa também não é uma história de superação estilo “Em busca da felicidade” onde no final descobre-se que o protagonista era um gênio desconhecido, é contratado por uma grande empresa e fica rico contando sua história em grandes universidades. Esquece isso. Esse é só mais um relato de outra pessoa que tinha um sonho, não tinha muitos recursos, tinha pouco estudo e demorou demais para acordar pra vida. Talvez essa seja também sua situação agora. Talvez hoje você tenha acordado e descoberto que seu mau humor diário tem uma causa bem simples. Você não gosta do que você faz. Você detesta viver sem dinheiro no bolso e nada de crédito nos bancos. Você, mais uma vez, chegou a um beco sem saída profissional. E o pior: você não tem nem tempo, nem recursos e nem esperanças de pagar uma boa faculdade ou curso de especialização para melhorar sua colocação profissional. Se você não tem para onde correr de que adianta saber que outra pessoa da qual você nunca ouviu falar, ficou famosa e bem de vida quando estava na mesma situação que você. Eu estive nessa situação, já não morava com meus pais fazia alguns anos e tinha muita vergonha de novamente morar de favor na casa de algum parente ou amigo. Afinal, eu não era mais o mesmo garoto de dezesseis anos que passava as tardes rabiscando super-heróis e imaginando como seria ser reconhecido pelos fãs dos personagens da Marvel que certamente achei que iria desenhar um dia. Aquilo era um sonho. Só sonhar não paga conta, não coloca comida na mesa. E sem dinheiro eu não tinha nem mesa dentro do quarto e nem comida. Eu estava completamente desesperado. Agora eu volto aquela pergunta que eu me fiz quando estava com vinte e oito anos, sem salário, sem formação, sem nada na geladeira e devendo o aluguel do quarto. O que você faz quando você está desesperado?

Você pensa

Não existe fórmula secreta, não existe guru que irá prever seu futuro e indicar o melhor caminho a seguir, não se pode contar apenas com a sorte. Nas horas de desespero o melhor caminho é pensar. Refletir. Saber quem é você, o que você gostaria de fazer daqui a dois anos, como você se vê daqui a alguns meses. O que você precisa começar a fazer hoje pra sua vida ser diferente amanhã. Pensar parece um conselho tão simples mas faz toda diferença. Eu gostaria de ser desenhista desde quando eu era moleque. Eu sonhava com isso, mas não pensava nisso com a seriedade que eu deveria ter pensado antes. Não era um propósito real, uma necessidade. Era um sonho. Eu e você iremos nos encontrar aqui outras vezes. Eu irei te contar aos poucos como eu consegui entrar no mundo do design pela porta de trás, fazendo tudo da maneira mais absurda e errada que você possa imaginar. Eu não segui cartilhas, não descobri o caminho das pedras, pensei em desistir inúmeras vezes, mas te entrego essa primeira dica. Na hora do desespero, na hora que tudo estiver contra você, na hora que você achar que tá na hora de chutar o balde, pense. O que você precisa fazer hoje para não passar pela mesma situação amanhã?