O empreendedorismo é o sonho dourado de muita gente. Confira o que é preciso para abrir seu próprio negócio depois do susto da demissão.

O empreendedorismo é com certeza o sonho de muita gente por aí.

E foi exatamente isso que algumas pessoas fizeram nos últimos anos ao perder o emprego por conta da crise: partir para outra e montar o próprio negócio!

Para você ter uma ideia, de acordo com a revista Exame, o empreendedorismo no Brasil deve avançar bastante em 2018. O país, inclusive, ficou em primeiro lugar como o que mais empreende dentro do BRICS, o bloco econômico formado por Brasil, Rússia, índia, China e África do sul.

O Brasil também fica na frente de países da América Latina como México e Argentina.

A justificativa para esse aumento, segundo especialistas, é justamente a crise econômica que levou milhares de brasileiros ao chamado empreendedorismo por necessidade.

Em 2017, das 26,2 milhões de empresas abertas há menos de três anos e meio, 11,1 milhões foram criadas por necessidade, sejam elas micro, pequenas ou médias.

Mas não é só isso. Dados da GEM, a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor, mostrou que o número de negócios por oportunidade também cresceu desde 2016, chegando a 57,4% naquele ano.

Para Guilherme Afif Domingos, o presidente do Sebrae, a entrada em vigor da reforma trabalhista e da lei da terceirização de postos de trabalho é o que deve aumentar ainda mais a busca pelo empreendedorismo.

Portanto, enquanto a crise impacta negativamente o trabalho tradicional, ela acaba abrindo algumas portas para quem pretende empreender!

Mas é claro que mudar de foco no nossa carreira não é nada simples, em especial para quem ainda não teve a oportunidade de montar um negócio.

E a preocupação maior é com relação às finanças, afinal, todos nós sabemos que qualquer empresa em início de operação pode levar algum tempo para lucrar.

Essa apreensão fica ainda maior quando percebemos que aquele salário que pingava todos os meses na conta e os diversos benefícios que recebíamos no emprego, não farão mais parte da nossa vida.

No final das contas, esses itens nos dão uma certa tranquilidade ao pagar os nossos boletos e sem eles acreditamos, muitas vezes, que não seremos capazes de administrar as finanças.

Nessa hora você tem duas opções:

1 – Tentar voltar ao mercado de trabalho, mesmo com a taxa de desemprego em alta (13,1% no primeiro trimestre de 2018 segundo o IBGE)

2 – Tentar montar um negócio

Se acha melhor optar pela segunda alternativa, aí vai uma pergunta: é isso mesmo que você quer?

Não pense que tudo serão flores e que lidar diariamente com clientes é algo fácil.

E nunca (jamais) tente empreender para fugir do chefe e das regras da empresa, porque no seu negócio você também vai enfrentar muitos desafios e dificuldades.

Mas se pensou bastante e já sabe que é mesmo o que quer, então fique atento aos demais tópicos desse artigo.

Como partir para o empreendedorismo após perder o emprego?

Existem diversas dicas bem interessantes para você conhecer antes de partir de vez para o empreendedorismo.

Conheça algumas delas!

Fique ligado na questão financeira

Você vai precisar de um dinheiro para montar o seu negócio e para se manter até que ele comece a lucrar, certo?

O primeiro passo é fazer o levantamento de quanto você tem e de quanto vai receber na rescisão da empresa.

Some FGTS, seguro desemprego, multas, férias, décimo terceiro salário, bônus e algum valor que eventualmente tenha guardado.

Depois, tenha a certeza de quanto vai precisar para colocar o seu negócio para funcionar e quanto precisará ter de capital de giro até que ele comece a lucrar.

Fora isso, você precisa ter algum dinheiro para arcar com as suas contas mensais.

É claro que vai precisar reduzir as despesas, mas algumas coisas básicas você não deve deixar de considerar, como alimentação, água, luz, telefone, aluguel ou prestação da casa, entre outras.

Coloque tudo em uma planilha e faça um planejamento de quanto precisa gastar a cada mês com as suas despesas e de quanto dinheiro precisará colocar no negócio até que ele lucre.

Nessa planilha você vai conseguir saber por quanto tempo precisa ter esse dinheiro disponível.

Se ele durar até dezembro de 2018, por exemplo, então você já sabe que a sua empresa precisa dar lucro até essa data, que é quando passará a usar esse valor para arcar com as suas despesas.

Fique atento a esse prazo e corra para buscar uma solução caso perceba que a empresa não terá o lucro que espera.

Lembre-se de que o bom planejamento é essencial para você não se enrolar nas suas finanças.

Busque por um negócio que realmente dará lucro

Se você não tem um negócio que resolva problemas, então você não tem um negócio. Simples assim!

Busque por alguma alternativa que ajude as pessoas e que facilite as suas vidas.

É só pensar nas empresas que deram certo. Perceba que a maioria delas, em especial as fundadas nessa era digital, que aliás mudou completamente a cabeça do consumidor, possui soluções ou produtos que realmente ajudam as pessoas e resolvem os seus problemas.

Mas você não precisa criar algo novo e que ninguém ainda fez.

Pode optar por um produto ou serviço que já exista no mercado, mas é importante que incorpore diferenciais com relação à concorrência para que aquilo que oferece seja realmente atrativo para o público.

E caso não tenha muito dinheiro para investir, opte por alternativas com baixo investimento e até com ganho em escala, como plataformas com a mesma funcionalidade para todos os clientes.

Se quiser conhecer algumas opções de negócios promissores para 2018, clique aqui e leia esse artigo que fizemos sobre o tema.

Mude o foco antes que seja tarde demais

Se perceber que o seu negócio não está dando certo, não precisa largar tudo e correr para um emprego tradicional.

É claro que como mencionei no tópico anterior, você deve se antecipar para não perder dinheiro, mas isso não significa que trabalhar como empregado é a única alternativa.

Procure mudar o foco do seu negócio ou o produto ou até mesmo lançar algum outro projeto no mercado.

Uma dica legal para evitar esse transtorno é testar mais de um produto ou serviço.

Se optar por trabalhar com soluções online, por exemplo, você pode criar 3 opções e testar todas elas ao mesmo tempo até ver qual é aquela que vai agradar mais ao público.

Essa estratégia é bem interessante para você não perder tempo e nem dinheiro.

Mas vamos supor que optou por um e-commerce de bolsas. Coloque 4 ou 5 modelos diferentes e com preços diversificados para ver qual os clientes se interessaram mais.

Uma outra alternativa é criar dois e-commerces com produtos completamente diferentes. Teste para ver qual tem maior chance de dar certo!

Se quiser saber mais sobre como mudar o rumo do seu negócio, leia o artigo Por que pivotar uma startup (ou um projeto de freelancer) e promover uma revolução no seu negócio não é tão ruim?

Essas foram as dicas sobre como começar a vida no empreendedorismo.

E você, perdeu o emprego e montou um negócio? Conte pra gente a sua experiência!