Com certeza você tem lido diversos artigos e notícias sobre a robótica e as mudanças significativas que já estão acontecendo no mundo. E se tem uma coisa que grande parte das pessoas tem sentido é aquela preocupação com relação ao que vai acontecer com as suas funções profissionais em alguns anos.

De fato, as máquinas estão substituindo o homem e de maneira bastante rápida, só que nem tudo é assim tão ruim quanto parece. Na verdade, para algumas pessoas a robótica pode ser algo bastante interessante e estratégico. É justamente sobre isso que vamos tratar nesse artigo: a robótica e as mudanças inevitáveis na nossa vida e no nosso negócio!

Como ficarão os empregos com a robótica?

Vamos a um exemplo simples de robótica?

Lembra que um belo dia você foi ao shopping e no lugar da moça que cobrava o estacionamento tinha uma máquina que recebia o dinheiro? E aquele restaurante que ao invés do garçom te atender ele simplesmente deu um tablet para você fazer o pedido da comida?

Isso é a robótica. De certa forma, a moça do estacionamento foi substituída pela máquina, ao mesmo tempo que alguns garçons provavelmente foram demitidos do restaurante porque o tablet cumpria essa função muito bem. E tudo foi tão rápido que ficamos um pouco assustados quando pensamos no que irá acontecer com a tarefa que desempenhamos. Mas você já pensou que essa máquina que recebe o dinheiro do estacionamento, assim como o tablet, precisam de uma equipe que entenda dos softwares para criá-los, configurá-los e fazer as eventuais manutenções?

Nesses exemplos fica claro que ganharão espaço no mercado os profissionais mais especializados em tecnologia do que aqueles mais operacionais. Portanto, quem se especializar, e não necessariamente em tecnologia, mas nas profissões que vão permanecer ou surgir, são as pessoas que terão mais chance de garantir um bom emprego.

Afinal, as empresas que oferecem esse tipo de inteligência vão empregar profissionais capacitados para fazer os seus negócios acontecerem. Alguns especialistas, porém, alertam que fábricas totalmente automatizadas vão deixar de contratar pessoas e assim contribuir para o aumento do desemprego.

De fato, a tecnologia sempre assumiu tarefas que antes só humanos poderiam realizar, mas ao mesmo tempo, forçou a criação de novos empregos para atender às demandas em constante mudança, não é verdade?

Como a robótica pode interferir no meu negócio?

Não pense que a transição para os trabalhadores robôs é ruim. Na verdade, ela é muito positiva para os negócios. Com a redução dos custos com mão de obra e com a diminuição das falhas humanas, é possível, por exemplo, reduzir o preço dos produtos, o que pode ser bem interessante para a economia de um país. Além disso, como mencionei anteriormente, as pessoas que se especializarem nas profissões do futuro, certamente terão espaço no mercado de trabalho.

Mas e o seu negócio? Mesma coisa! Você precisa identificar o que está por vir e se especializar. Talvez a sua profissão não acabe, mas passe por alguma mudança significativa. Você precisa perceber como pode atuar de maneira estratégica diante dessas novidades. Não existe uma regra para isso ou um passo a passo com diversas etapas, mas sim uma análise individual do seu mercado e das tendências e uma corrida em busca de especializações.

Procure focar nas soluções que pode oferecer no seu trabalho e não nas perdas e nos problemas que eventualmente terá.

Como a robótica está acontecendo no mundo?

Uma série de tecnologias emergentes, como a inteligência artificial, sensores, sistemas e articulações robóticas, estão surgindo no mundo. O resultado disso é uma enorme rede conectada de máquinas que trabalham juntas para facilitar a nossa vida.

Em vez de um único robô executar as etapas de um processo, muitas máquinas diferentes se destacam em uma ou algumas tarefas, se comunicando com outros robôs para iniciar o próximo segmento de trabalho.

Esse processo, quando feito dentro de uma fábrica, por exemplo, não é tão diferente daquele realizado por pessoas, com algumas exceções: os robôs trabalham sem interrupção, em condições terríveis e sem receberem por isso.

Por outro lado, eles são programados de forma que executem tudo de forma mais rápida que os seres humanos e de maneira muito mais correta.

Para você ter uma ideia, a SoftWear Automation, uma startup criada em colaboração com a Georgia Tech University, criou uma tecnologia chamada a Sewbots, capaz de produzir um jeans ou uma camiseta sem nenhuma intervenção humana.

Isso pode não parecer tão impressionante em comparação com os carros autônomos, por exemplo, mas quem conhece a indústria têxtil sabe muito bem que os tecidos macios apresentam diversos desafios. Eles são bem variáveis e possuem milhares de distorções na cor, no estiramento e no próprio tecido.

Os profissionais experientes costumam detectar anomalias e fazer os devidos ajustes quando preciso, o que é bem diferente das máquinas, certo? Errado! Esse processo, quando feito com algoritmos de máquinas e robôs, não tinha acontecido até pouco tempo, quando uma linha de costura da Sewbot, em conjunto com outros sistemas da Softwear, passou a produzir 1.142 camisetas (trabalho realizado por 17 pessoas) em apenas 8 horas.

Para garantir que tudo saia perfeito, a empresa adota uma abordagem diferente. Em vez de inventar equipes de robôs altamente especializadas para fabricar peças de vestuário, ela criou um processo que adiciona um enrijecedor aos tecidos antes de costurá-los, transformando o material de forma que pareça mais uma fina camada de plástico rígido. Os robôs de Sewbo costuram e terminam a roupa endurecida, que é então lavada e devolvida à sua textura natural.

Ainda falando das empresas, a Gigafactory da Tesla empregará em breve centenas de braços robóticos e “veículos guiados automaticamente”, aqueles robôs móveis que transportam itens de uma área para outra.

Essas habilidades de processamento de dados podem ser usadas para tornar todo o processo de fabricação mais eficiente.

Mas afinal, quais são as profissões que devem ser substituídas pela robótica e as que vão permanecer?

De acordo com Klaus Schwab, autor do livro A Quarta Revolução Industrial, os empregos que devem ser substituídos pela robótica são: Operador de telemarketing, alguns tipos de contadores, alguns cargos nas indústrias, juízes de esportes, algumas secretárias, garçons, recepcionistas, agentes imobiliários, trabalhadores rurais, assistentes administrativos e mensageiros

Já os que não podem ser substituídos pela robótica são: profissões ligadas à saúde mental, coreógrafo, médicos cirurgiões, psicólogos, gerentes de Recursos Humanos, analistas de sistemas, antropólogos, arqueólogos, engenheiros navais, gerentes de vendas e CEOs.

Obviamente, muitas funções não vão simplesmente desaparecer. Algumas, na verdade, precisam necessariamente ser feitas por pessoas.

Portanto, não pense que a robótica veio “roubar” o seu trabalho. Ela veio para facilitar a nossa vida e trazer alternativas bastante interessantes para agilizar as tarefas e torná-las cada vez mais assertivas.

Gostou desse artigo? Então comente aqui!