Metas. Independente de você ter dezessete anos ou já ter passado da casa dos trinta, em algum momento da sua vida, você traçará uma meta pessoal. Não importa o que seja: o primeiro smartphone, um carro esportivo, um computador com uma boa placa de vídeo. Não importa, em algum momento você vai perceber que precisa dar o próximo passo e vai precisar de ferramentas para chegar lá.

Quem encara a carreira de freelancer cedo percebe que precisa planejar (e muito) todas as suas metas, todos os passos que precisa dar para chegar numa condição desejada. Não basta apenas abandonar o emprego formal, sentar em casa e aguardar os clientes irem até você. Mesmo quem concilia a vida de assalariado com a de freela ocasional, também precisa traçar suas benditas metas.

Talvez isso já seja óbvio pra você. Talvez você já seja um freelancer calejado que já passou por alguns apuros, já se complicou com prazos de entrega de material e também teve algumas dores de cabeça correndo atrás daquele cliente que sempre arruma uma desculpa para adiar o pagamento do job. Mas quando estamos começando nossa trajetória nem tudo são flores.

Cada história é única

Mesmo que tenhamos modelos de profissionais que gostaríamos de nos espelhar, cada caminho traçado e percorrido será diferente. Porque a meta pessoal de cada um é igualmente diferente. Eu levei um tempo para entender esse processo. Ego de artista.

Com dezesseis anos, acordava e dormia consumindo cultura nerd. Quadrinhos, games, desenhos animados. Queria tanto trabalhar com desenho e virar um quadrinista que passava mais tempo pensando como seria meu nome artístico do que necessariamente treinando para trabalhar e viver disso. Eu tinha uma meta, mas não tinha planejamento, nem foco.

Hoje eu sei que minha meta profissional só acontece se eu seguir determinadas etapas. Minha meta é ter um bom reconhecimento profissional e me sentir satisfeito com o meu trabalho. Eu reconheço que meu trabalho é um produto comercial e que ele tem que atender as necessidades de quem contrata meu serviço. É bem simples, eu estudo sempre, entrego um bom trabalho, procuro ter um convívio amigável com quem precisa do meu design e quero ser bem recompensado por isso.

Para concretizar isso, eu faço novos cursos e reciclo o que eu aprendi há muito tempo. Compro novos livros, revistas especializadas e sempre tento me manter antenado com o que há de diferente e original no mercado do design. Procuro na medida do possível manter meu portfólio organizado e atualizado. Essas são as etapas para atingir minha meta.

Provavelmente alguém já lhe deu esse toque, mas não custa nada repetir: vá atrás dos seus objetivos, faça planos com frequência, divirta-se com o processo de construir uma carreira profissional, mas não deixe de traçar metas para tornar tudo isso possível, ok? E quando der aproveita e me conte quais são suas metas e como você planeja alcança-las.

Deixe suas opiniões e críticas e nos vemos por aqui na próxima semana.