A ideia é lançar protótipos no mercado para você terminar de criar

Sempre que a gente acompanha as tendências mais recentes do mercado de inovação e tecnologia, a partícula “co-alguma” coisa aparece. Ela representa o conceito da co-criação, o mesmo que dá origem à palavras (e modelos de negócio) como os espaços de co-working e, derivando um pouquinho, aos sistemas de crowdfunding.

futurelab_logoA Sony, sempre atenta a esses movimentos (eles inventaram o walkman quando todo mundo dizia que música era uma experiência somente coletiva), anunciou o lançamento de seu Future Lab Program, ou, como preferem os críticos mais apressados, a repaginada de seu departamento de R&D (Research and Development, ou pesquisa e desenvolvimento).

Seu objetivo é inovar na forma como o processo de criação de novos produtos é conduzido na empresa. Ou seja, no lugar de ideias finalizadas, o FLP vai lançar protótipos que podem receber sugestões de melhorias de pessoas como eu e você. No post oficial do último dia 4/3, que oficializou o lançamento, a marca fala de um “ambiente aberto e criativo com uma linha direta de diálogo com a sociedade”.

Future Lab Program levou dois conceitos para o SXSW106

Duas de suas primeiras tentativas estão em exibição durante o segmento de Interactive do SXSW2016 – o maior evento de convergência entre música, cinema e tecnologia – que acontece todos os anos no Texas e, nos últimos dois, tem se consolidado como centro absoluto de novas tendências e movimentos culturais para o ano que se segue.

O primeiro deles é o “N”, um modelo de headphone que pretende criar o conceito de ambientação sonora diferenciado. Além de cancelar o ruído externo é para ser usado no pescoço, de onde projeta o som para o alto de sua cabeça.

prototipos_sony_n

Projeto “N”, um headphone que projeta a música para o ambiente. 0.o | Imagem: Sony – Reprodução

Para algo mais privativo, o headphone conta ainda com earbubs tradicionais que fazem uma mistura do som ambiente com aquele que você selecionou para ouvir. O device aceita controle de voz e tem câmera, que, segundo o post do The Verge, dá umas falhadas.

O segundo protótipo disponível é um projetor inteligente que dá uma flertada com realidade aumentada. Na experiência que anda circulando por aí, ele identifica que o livro para o qual está apontado é o Alice no País das Maravilhas e solta animações temáticas.

No site oficial do FLP rola uma newsletter. Fica a dica de assinar para acompanhar como será o processo de melhoria dos produtos e que lançamentos virão por aí.

Mas, sinceramente, um headphone que projeta o som no ambiente…isso vai dar problema no metrô lotado, não? Comentem!