Anuncie produtos, venda suas criações e compartilhe conteúdo relevante na FreelaStore. Veja como participar.

Como faço para trabalhar de fotógrafo freelancer numa revista internacional?

por Carolina Vigna

Você tem uma câmera. Você tem um estúdio. Você tem até talento e um belo portfólio. Mas isso não é tudo quando se trata da vida de fotógrafos freelancers e mercado editorial.

Você tem uma câmera. Você tem um estúdio. Você tem até talento e um belo portfólio. Mas isso não é tudo quando se trata da vida de fotógrafos freelancers e mercado editorial.

Sempre dá para chegar melhor e mais rápido onde se quer acumulando conhecimento e experiência de outros trabalhos e desafios parecidos.

Reuni aqui algumas dicas baseadas em minha experiência que, claro, estão abertas a sugestões e adendos. Este post começou como um comentário na minha primeira participação aqui no Carreirasolo.org e, portanto, é um “work in progress”.


Awkward Cameraman


Creative Commons License
photo credit: garryknight

Regra Geral

Para começar, revistas como a National Geographic, acredito, costumam trabalhar de duas maneiras:

1 – convite (eles entram em contato com o fotógrafo para um determinado projeto) ou,
2 – projeto (você envia um projeto, normalmente já meio encaminhado, e eles aprovam).

Até onde eu saiba os fotógrafos do staff deste tipo de publicação são headhunted, ou seja, escolhidos por eles e não selecionados por contato direto.

A maioria das publicações possui regras muito definidas e claras sobre colaborações e possíveis contratações. A National Geographic, só para citar nosso exemplo, não é exceção e tem até um Faq sobre o assunto.

E de nada adianta você tentar vender algo para alguém que não quer comprar. Sempre haverá alguma publicação procurando o material que você tem, é só uma questão de procurar e se adequar.

Dicas

  • Você tem portfolio online? Pode ser uma boa forma – mesmo que em um Flickr ou um Carbonmade da vida – de ser visto, conhecido e chamado para os assignments.
  • Outra forma bastante eficaz de ser contratado é pertencer a uma agência de imagens. A própria Corbis, por exemplo, avalia portfolios para inclusão em seu banco de dados de fotógrafos. Isso vale para qualquer tipo de publicação.
  • Vale a pena, mesmo que talvez não financeiramente no início, entrar para organizações grandes como essa por que são eles que os editores procuram quando querem alguém novo.
  • Outro caminho, mas isso é apenas para poucos felizardos, é conseguir um agente, ou um “art dealer” para continuar nos jargões (e facilitar a sua busca no Google). Conselho: quando você conseguir um agente lembre-se sempre de enviar o contrato para algum advogado da sua confiança. Não assine nada antes de entender completamente as consequências do que você está assinando, ok? A grande maioria dos agentes de fotografia é correta e profissional mas infelizmente ética não é uma lei da física.

Enquando isso…na terra dos papagaios…

Isso tudo que falei acima é em termos de mundo. Quando falamos de Brasil isso é verdadeiro também mas o poder do boca-a-boca ainda é muito grande e um contato com editores diretamente pode ser um bom caminho.

  • É legal também acompanhar algumas revistas do meio, para começar a saber quem é quem na indústria. Recomento da Editor & Publisher, a Publishing News inglês e o Publish News brasileiro (tem até uma newsletter).
  • Estas revistas falam muito do mainstream, e muitas excelentes publicações e/ou editoras ficam de fora, mas ainda assim vale acompanhar como termômetro do que está em moda e, conseqüentemente, de que tipo de trabalho estão “comprando”. Por falar em “comprar”, é bom sempre dar uma espiada na Media Job Market também.
  • Importante: lá fora existe a distinção entre o “editor” e o “publisher”. Normalmente quem bate o martelo final sobre imagens é o publisher, não o editor. São poucos os lugares como o Brasil, onde o editor e o publisher são uma pessoa só.
  • Ah sim: aconselho a primeiro fazer um portfolio online e depois enviar cartas curtas e simpáticas – (curtas, já falei curtas? curtas é importante!) – para os editores se apresentando e dando o endereço do seu portfolio.
  • Não esqueça de fazer o famoso fup (follow-up), ou seja, ligue e pergunte se recebeu, se viu, se gostou, essas coisas. E claro, não esqueça de fornecer formas diferentes de contato (email, tel, celular, sinal de fumaça, qualquer coisa que você atenda sempre).
  • Os periódicos de natureza documental e/ou científica costumam funcionar muito mais por projeto. Vamos documentar as antas no cerrado! Aí você vai, escreve o projeto, apresenta e manda. Depois de você já ter feito um projeto desses, passa a ser conhecido e considerado por aquele periódico no quadro fixo.

Para fechar

Eu estou preparando um artigo com o perfil das editoras brasileiras, o que cada uma prefere publicar, endereço de contato, etc. Tá dando um trabalhão mas vai valer a pena. Será uma fonte de consulta valiosa para todos que quiserem enveredar por esta aventura que é publicar e…enfim…ser lido.

Carolina Vigna

Carolina Vigna

Editora, designer e ilustradora. É também amante de animação e fotografia.

Portfolio RSS E-mail (Leia mais artigos desse autor)


34 Responses to “Como faço para trabalhar de fotógrafo freelancer numa revista internacional?”

  1. Jordana Braz says:

    Muito boa essa dica!

  2. Obrigada, Flavia!

    Fico muito feliz que as dicas tenham sido legais.

    Vocês tem algum assunto que gostariam que eu comentasse? Perguntas? Sei lá, às vezes pode ser um bom ponto de partida. Essas dicas aqui, por exemplo, começaram como uma resposta a uma pergunta em outro artigo.

    • André Sena says:

      Oi Carolina, gostaria que publicasse algo falando do mundo da moda na fotografia, como começar, como chegar a trabalhar para grandes revistas tanto como freelancer como fotografo principal da revista, obrigado ;)))

  3. Carolina, as dicas foram ótimas…. obrigadão!!

  4. bacana as dicas hein
    vou utiliza-las!

  5. Renato,

    Fico feliz com isso. Vi seu trabalho no Flickr e você sem dúvida alguma tem a qualidade necessária para trabalhar para/em uma revista grande, internacional ou não.

    Só não deixe de apresentar o trabalho todo, incluindo o que você chamou de “personal”, que está excelente.

    Boa sorte!

  6. Achei bem interessante a idéia de abordagem,aos editores.
    Tenho 2 livros individuais editados e 1 em parceria com outros fotógrafos, está para sair o 4º este ano e outro projeto encaminhado para o ano q.vem.
    Mas estou atrás de trabalho, como faço para mandar o currilum,

  7. João Teodoro,

    Tudo bom?

    Parabéns pelos livros! É sempre muito difícil conseguir e motivo de orgulho.

    Você conhece uma editora carioca chamada “Céu Azul de Copacabana”? -> http://www.colorfotos.com.br/

    Eles se especializaram em livros de fotográfos. Recentemente lançaram um do Felix Richter que eu gostei muito. Acho que eles só consideram fotógrafos já “consagrados” mas como você já tem 3 livros na bagagem, talvez possa ser um contato interessante.

    Infelizmente eu não conheço ninguém de lá, mas tenho certeza de que eles vão gostar de pelo menos conhecer o seu trabalho. (todo editor gosta, juro!)

    Todo mercado visual (fotografia, ilustração, animação, modelagem, etc) funciona melhor com apresentação de portfolio do que de currículos.

    Boa sorte!

  8. Sou de Ribeirão Bonito e gostaria de ser um fotógrafo freelance,posso contar com voceis.
    fotos casamento,flagantes,e outras.
    trabalhei com jornal Gazeta Central-de São Carlos-SP .
    JORNAL PRIMEIRA PÁGINA TAMBEM DE SÃO CARLOS-SP. CIDADE ONDE NASCEU FOTÓGRAFO JUCA VARELLA.

  9. [...] Como faço para trabalhar de fotógrafo freelancer numa revista internacional? – Carreirasolo.org Distant Daily (aqui, aqui, aqui e aqui) 10 lugares para achar o freela dos seus sonhos (mundo a fora) e TV Globo abre inscrições para estágio em São Paulo – designGrafico [...]

  10. Luiz Carlos,

    Tudo bom?

    A não ser que você faça exclusivamente colunas sociais, trabalhar com jornal e com casamentos são coisas muito – mas muito mesmo – diferentes, como você bem deve saber.

    Se você tem acesso a jornais, você já está melhor começado do que a maioria.

    Não sei no que poderíamos lhe ser úteis além das dicas aqui publicadas e não entendi muito bem o que você espera com “contar com vocês”.

    Para se tornar um fotógrafo de ocasiões como casamentos, batismos, etc, o caminho é muito simples:

    1 – Comece. Sério, mesmo que a um preço bem baratinho para um amigo.

    2 – Neste primeiro trabalho, leve cartõeszinhos de visita e distribua para os convidados.

    3 – Faça um bom trabalho.

    Também é bom pedir indicações daqueles que conhecem o seu trabalho. Não deixe de ler os artigos daqui do Carreira Solo. Eu começaria pelos artigos:
    - A esculpir o seu futuro,
    - Dica fundamental: entregue mais do que o prometido e conquiste novos projetos, e
    - Como montar um portfólio?.

    Se você não falar para as pessoas que conhece que agora está prestando este tipo de serviço, ninguém vai adivinhar.

    Boa sorte e sucesso!

  11. Thiago M. says:

    valeu pelas dicas . .muito boas tambem pra quem esta começando .

  12. dimitryushakov says:

    oi,pessoal,boa noite. lí atentamente matéria
    sobre fotografia p/revistas…tudo bem. mas e qndo o proprio dono da publicação fotografa?
    qndo os filhos fotografam? isso porque nunca tem
    verba/nunca teve verba p/freelancers?ou qndo re
    cebem GRATUITAMENTE material,basta comprar a
    página? ou qndo nunca viu a publicaçaão nas ban-
    cas de jornal? mas os editores afirmam que a
    publicação circula nas repartições públicas? porém vc nunca viu a publicação;ou qndo uma boa
    revista (Cerrados) fechas as portas depois do
    segundo nr? (acabou dinheiro) isso é goiás.
    minhas fotos estão no álbuns da web do picasa
    acessar google gmail e pressionar fotos.gr.
    abço do dimitry.aguardo notícias.

  13. Caro Dimitry,

    Vou tentar responder da melhor maneira possível, mesmo tendo certeza de que não será o suficiente.

    A realidade do mercado fora do eixo Rio-SP é realmente muito mais cruel e canina. Existem, por outro lado, muitos mais nichos a descobrir e espaços ainda vagos.

    Não conheço a realidade de Goiás e portanto não vou nem me arriscar a comentar qualquer coisa especificamente sobre o que você falou.

    O pouco – e é muito pouco mesmo – que sei do mercado fora desse eixo central é que premiação é algo que impressiona. Você precisa se valorizar de alguma forma para que os outros lhe dêem o devido valor.

    Você pode fazer isso de várias maneiras e uma delas sem dúvida é manter um portfolio online mas para isso não basta dizer “minhas fotos estão no álbuns da web do picasa“. Precisa divulgar o endereço, fazer cartãozinho de visita com os seus dados e distribuir, etc…

    Sobre boas revistas fechando as portas, infelizmente é o que mais tem. É triste mas a verdade é que os investimentos são poucos e/ou às vezes mal gerenciados por pessoas bem intecionadas mas que não são bons gestores/gerentes (o editor é o gestor da editora, não é um “artista” como muitos acreditam).

    Desejo-lhe sorte e sucesso. Não deixe de nos enviar notícias de seu trabalho.

    Abraços,
    Carolina.

  14. Fellipe Abreu says:

    Olá…

    Estou a um tempo procurando na internet algum modelo ou simplismente algumas dicas em relação a elaboração de projetos para ser apresentados a revistas e publicações em geral. Em relação ao conteúdo, formatação, essas coisas.

    E parabens pelas boas dicas…

    Obrigado,
    Fellipe Abreu

  15. Obrigada, Fellipe!
    (e boa sorte!)

  16. Ernandes Filho says:

    Carolina, suas orientações serão de grande valia, tendo em vista o término do curso de fotografia que fiz aquí em Lisboa, na faculdade do IADE, meio que desorientado, o que você escreveu me ajudará imenso. Obrigado.

  17. Ernandes,

    Eu que agradeço o seu retorno!

    O IADE é excelente.
    http://www.iade.pt/

    Você fez o de fotografia tradicional ou o de digital?

    Abração e boa sorte!

  18. cristhian says:

    eu quero começar a trabalhar

  19. Oi Carolina.
    Parabéns pela idéia de seu site!
    Minhas fotografias são um hobbie de biólogo e professor, mas que talvez um dia possam ter outro rumo…
    Sua iniciativa é louvável!
    Atenciosamente.
    Carlos Eduardo.

  20. Carlos Eduardo,

    Muito obrigada!

    Eu cursei biologia até o penúltimo período e larguei. A julgar pela quantidade de gente que conheço que saiu da biologia para ilustração e/ou fotografia, costumo brincar dizendo que é algum tipo de vírus. :)

    A iniciativa é do Mauro Amaral, editor do Carreira Solo.

    []s
    Carolina.

  21. karol says:

    Carolina.
    como faço para fazer um curiculo
    para ser modelo…
    obrigada!

  22. karol,

    Desculpe mas infelizmente não estou capacitada para te ajudar. Não conheço o mundo da moda.

    Abraços e boa sorte!
    Carolina.

  23. Isa Silvano says:

    Oi Carolina. Só pra constar, esse virus não é apenas na Biologia não. No Direito esse virus que se transforma em fotografia aconteceu e acontece constantemente. Nunca vi tantos advogados virarem fotografos rsss.
    Bom, eu vim dizer-lhe que foi sem querer que cai nesta pagina sua, mas não será por acaso que permanecerei. Essas dicas aqui são de uma valia monstruosa para quem esta tentando seu lugar ao sol.
    E para começar meu primeiro comentario dos muitos que irão ter, meu muito obrigada pela sua dica. Isso me caiu como um tapa com luva de pelica. Obrigada!
    Agora vou ler todos seus arquivos ok? rsss
    Beijos e muita luz pra voce.

  24. Isa,

    Que coisa engraçada! Outro dia, conversando com amigos médicos, pude perceber que esse vírus também os atinge. rsrsrs

    Comente sempre, a casa é sua!

    Bjs,
    Carolina.

  25. Olá Carolina parabens pelo site e muito obrigada pelas dicas, estou precisando mesmo. Desejo muito trabalhar pra uma revista, estou amadurecendo… Obrigada
    Forte abraço

  26. Camila Eduarda says:

    Muuito bacana! Isso vai ajudar e muito pra quem tá começando

  27. [...] Como faço para trabalhar de fotógrafo freelancer numa revista internacional? – Carreirasolo.org Distant Daily (aqui, aqui, aqui e aqui) 10 lugares para achar o freela dos seus sonhos (mundo a fora) e TV Globo abre inscrições para estágio em São Paulo – designGrafico [...]

  28. Claudia says:

    Muito bacana essas dicas!
    Mas como trabalhar pra revistas e/ou agencias de publicidades nacionais de sp? Já mandei email pra milhoes de editores e nenhum nunca me respondeu, ou sou muito ruim ou sinceramente não entendo como funciona o mercado… É preciso ter sempre quem indica? Assim fica dificil sobreviver nessa profissão!
    Obrigada
    Vou deixar meu site aqui e espero que vc me responda o que acha e o que falta: http://www.mariaclaudiaferrini.com.br

  29. Dionney says:

    cara gostei muito das dicas, estava bastante tenso pois é um ramo novo para mim "até ontem eu era um técnico em informática amante das fotos" mas depois de ler as suas dicas fiquei mais aliviado, ainda mais porque vc soube mesclar seriedade com um toque de humor ^_^

  30. Rosana Simões says:

    Boa tarde Carolina,
    Tem alguma dica para fotografia com crianças? Já faço fotos a alguns anos por conta própria e tenho bastante experiência na área, também faço um ótimo trabalho com photoshop e tenho trabalhos com bastante referências, mas gostaria de trabalhar com alguma revista ou agência, mas não tenho um currículo. Somente poderia ir lá e mostrar eficiência… Tem alguma dica pra mim?
    Te agradeço!!!
    Deus te abençõe!
    Rosana

  31. rita says:

    ola, já te conheço por uns comentários de fotógrafos na escola. eu li o que você deixou em cima boas dicas, Como faço para trabalhar de fotógrafo numa revista sensual, tenho umas ideia para fazer umas fotos sensuais mas não tenho como investir só posso lhe dizer sou amante das fotos,gosto de fotos que fala o que nós não podemos falar rsrs .obrigada

  32. Brunno says:

    Muito bom!

Leave a Reply

Direto do @falafreela

Editores no Twitter