Aos três anos de idade você inicia sua vida acadêmica, talvez menos se for necessário freqüentar uma creche com o término da licença maternidade. Do maternal ao segundo grau são 15 longos anos de dever de casa e muita merenda. Depois vem a faculdade com uma duração média de quatro anos, mais pós, mestrado, doutorado, MBA… O céu é o limite!

Na faculdade começam os estágios que, com o tempo, dão lugar ao emprego e, finalmente, sua vida profissional tem início. E aí, meu, é um abraço. Não tem mais merenda, nem tempo vago. Driblar o chefe ou cliente é bem mais complexo que dar uma volta no inspetor. Horários, prazos, projetos, reuniões… Com uma agenda executiva tão promissora sua vida pessoal é comparável a existência de extraterrestres: sempre paira dúvida no ar.

Acha que eu estou exagerando? (re)Veja o filme “O diabo veste prada[bb]”. Quando a heroína se queixa ao colega de trabalho que sua vida pessoal está um caos ele, sabiamente, responde: “quando tudo explodir me avise, é hora de ser promovida”.

Se os seus relacionamentos interpessoais vão bem, obrigado e você consegue manter amizades além do seconde life, parabéns! Agora se você é incapaz de fazer um retrato falado do seu melhor amigo porque a foto no MSN é muito pequenininha, já é hora de rever suas prioridades.

É preciso entender que o problema não esta na segurança da CLT ou nas incertezas da vida de freela. O “x” da questão é como administrar o tempo, sem perder dinheiro.

Infelizmente, ainda não tenho essa resposta, mas espero se algum leitor tover sua sugestão, aguardo a “fórmula mágica” nos comentários ao fim do texto.

E a tal qualidade de vida?

Quando está silêncio você ouve o toque do seu telefone? Seus clientes, projetos e prazos povoam seus pesadelos? Se a conexão cai sua pressão sobe? Se você respondeu sim para uma dessas perguntas, melhor tirar um dia de folga. Freela também tem direito a luxos como fim de semana, feriados e, quem sabe, férias.

Eu sei, somos capitalistas, sem trabalho não tem dindin, então como tirar férias? Programe-se! É bem mais difícil do que parece, mas além da disciplina para conciliar família, amigos e freelas, quem optou pela Carreira Solo também precisa de tempo para si mesmo. Tire a poeira do seu violão, dê um passeio de bicicleta, assista seu seriado preferido…

Passe um tempo em (sua) boa companhia, a volta ao trabalho será bem mais produtiva.

Zemanta Pixie