Já escrevi aqui sobre alguns aspectos sobre o encosto de cadeiras e poltronas como angulação e altura. Agora escreverei sobre o assento.

Como dito, na posição sentada, todo peso do tronco é transferido para o assento, aliviando a pressão sobre os membros inferiores. Porém, esse peso todo é transferido através de dois ossos nas nádegas, as tuberosidades isquiáticas (ou isquios), que possuem de 7 a 12 cm de distância entre sí (Iida, 2005), e são cobertas por uma fina camada de tecido muscular e pele grossa. Conseguindo uma superfície confortável para esses ossinhos o seu problema de conforto ao sentar está 50% resolvido!

O que é melhor, estofamento rígido ou macio?

Até pouco tempo, o assento rígido era considerado o mais apropriado para suportar o peso do corpo. Porém hoje é sabido que, segundo Iida (2005), essa dureza provoca concentração de pressão na região dos isquios, gerando fadiga e dores na região das nádegas.

Aqueles muito macios, superfofos não são adequados pois não permitem um equilíbrio adequado ao corpo e, por incrível que pareça, são confortáveis demais ao ponto de a pessoa passar longos períodos sem mudar de posição. Essas mudanças são saudáveis para ativar a circulação da região das coxas e dos isquios, e ajudam a aliviar as pressões sobre os discos vertebrais e as tensões dos músculos dorsais.

Quais as dimensões de um bom assento?

Segundo Iida (2005) e Grandjean (1998), o assento deve ter 40 a 45 cm de largura, 38 a 42cm de profundidade, e deve estar entre 35 e 38 cm do solo.

Assentos mal dimensionados ou mal regulados podem gerar os seguintes problemas:

  • muito alto – pressão na parte inferior da coxa;
  • muito curtos – sensação de instabilidade;
  • muito longos – há pressão na parte interna das pernas.

Outros detalhes

A superfície do assento deve ter inclinação para trás recomendada é de 14 a 24o em relação à horizontal, para que as nádegas não escorreguem para frente. Já o ângulo encosto-assento deve ter de 105 a 110o (GRANDJEAN, 1998).

Quanto ao revestimento, um leve estofamento com um material um pouco áspero para evitar o escorregar e permeável ao vapor d´água (suor) aumenta o conforto do sentar.

A utilização do apoio dos pés é uma maneira muito eficaz de ajudar as pessoas a mudarem de posicionamento quando sentadas e evita a má postura de pessoas baixas.

No próximo post fecharei a questão das cadeiras e poltronas com os 5 princípios básicos do assento, para então partir para a interação cadeira-mesa-computador. Até lá!

Fontes:
GRANDJEAN, Etienne. MANUAL DE ERGONOMIA. Ed. Bookman, Porto Alegre, 1998;
IIDA, Itiro. ERGONOMIA – PROJETO E PRODUÇÃO. Ed. Edgard Blucher Ltda, 2a. Ed. São Paulo, 2005.
Ilustrações: Iida, 2005.