Vamos ser sinceros: nem todo mundo que faz seus freelancers é 100% freela. Muitos de nós trabalhamos no horário comercial em algum lugar e, após o expediente e nos finais de semana, atendemos a nossos clientes. Fazemos isso porque precisamos de certos benefícios e estrutura, ou porque ainda não nos sentimos suficientemente seguros para iniciar nossa Carreira solo.

Isso não quer dizer que não sejamos profissionais, muito pelo contrário. Somos profissionais em dobro. Mas, tem um tipo de situação que me tira o sono.

O que fazer quando aquele prospect resolve ligar quando, no seu escritório, estão todos em volta?E ainda por cima cheio de idéias sobre o novo projeto?

Algumas ideias

(ah sim, estou considerando que você ao ser entrevistado não acertou que iria continuar a fazer seus freelas, ok? Quando isso acontece, show de bola, nada do que tem aqui embaixo faz sentido)

  • Trate como um amigo conhecido há tempos e comente que está um pouco enrolado naquele momento, mas que em tal hora liga sem falta.
  • Agradeça, avise que está numa outra ligação e aproveite para sugerir um papo via Instant Messenger
  • Temos uma área para café? Jura que temos uma área para café? Pô, vá caminhando até lá e comece a papear com seu cliente
  • Trate seus contatos somente por e-mail e libere seus números somente com o aviso de tal e tal horário. Tá, também não gosto dessa…mas…tinha que avisar
  • Bom, existem os serviços de secretária virtual, que muitos consultores utilizam. Se você já tiver uma carteira de clientes que necessita de contatos constantes, pode ser uma boa alternativa>

Mas, pega mal atender cliente no escritório em que trabalho?

Pô, cara… pega. Pode parecer bobeira, mas todo mundo é de mercado e entende que você está utilizando o seu tempo ali naquele escritório para benefício próprio. Eu sei, você também faz isso quando consulta seu saldo no banco ou liga para sua mulher (marido) avisando que vai chegar mais tarde; mas é diferente.

Funciona como uma mais valia reversa e, se você ainda é empregado e não 100% freela, entende que algumas regras devem ser cumpridas. Mesmo que, ainda, não sejam as suas.