Fonte de sabedoria e luz para alguns, uma boa obra literária para outros, a Bíblia segue como o livro mais impresso, vendido e distribuído de toda a história do mercado editorial. Mas, convenhamos, é um calhamaço difícil de ser encarado. Até conheço gente que a leu inteira várias vezes, mas não sem o peso de um propósito religioso ou promessa das mais variadas.

O designer americano Adam Greene resolveu mudar um pouco essa história, transformando a Bíblia não em uma única enciclopédia, mas em uma coleção de livros. Assim nasceu o projeto Bibliotheca. A primeira grande mudança é na quantidade de livros: agora, eles são quatro: três deles dedicados ao Velho Testamento e um ao Novo Testamento.  A enorme “mancha gráfica” formada por anotações, capítulos e versículos, também foi substituída por um texto linear, como em um beste seller destes que você compra na Amazon.

o-designer-que-reinventou-a-biblia

Segundo o artista a ideia não é mudar o sentido ou adaptar o texto sagrado para um tipo de propósito diferente do original. É apenas “uma forma de interagir com o texto em sua esfera literária”. No vídeo a seguir você tem todo o histórico do projeto, muito legal de se conhecer:

O trabalho foi grande e envolveu desde a escolha do tipo de encadernação, mais luxuosa do que o normal, tipologia de leitura mais agradável; proporções especiais para o livro e diversos outros detalhes explicados nesta página do site de financiamento colaborativo Kickstarter. Aliás, uma curiosidade sobre o projeto: dos U$37.000 pretendidos para imprimir os 500 primeiros itens, ele levantou…U$ 1.440.345.

Projeto Bibliotheca, o redesign da Bíblia

Projeto Bibliotheca, o redesign da Bíblia

Mais um que “foi lá e fez”. E você?