Evento pretende construir e premiar drones com sistemas de bordo inteligentes

Se você está minimamente interessado em inovação, sabe que os drones são um dos temas mais recorrentes. Eles voam pra lá e para cá, filmando surfistas, manadas de animais selvagens e até mesmo competindo em pistas arrojadas.

Mas, no geral, estes brinquedos de gente grande são pouco acessíveis a grande parte da população. É isso que o HeliDesign pretende mudar.

O projeto é uma criação da SAE (Sociedade de Engenharia Brasil) e é voltado para alunos e professores do ensino médio técnico e tem 2 focos principais:

O primeiro deles é a construção de drones com especificações e objetivos pré determinados e que são o foco da competição. Já o segundo visa a capacitação de professores (de instituições participantes ou não) para além de orientar as suas equipes, serem capacitados em módulos de estudo diretamente voltados para as exigências do concurso, mas que podem ser aplicados nas escolas em outros projetos.

A capacitação na construção de drones está prevista para este semestre e os professores participantes ainda que não estejam orientando equipes, podem levar para si e para a instituição que representam uma bagagem enorme sobre o assunto que enriquecerá a aula e os conhecimentos de todos os envolvidos.

A etapa final do concurso  tem duração de 3 dias e conta com a participação de 10 equipes com 15 membros cada e é voltado para alunos e professores do ensino técnico. Cada instituição representada pelas dez equipes enviará o seu professor que fará as vezes de orientador do grupo da sua escola.

A sede do evento é a cidade de Itajubá (MG) onde acontecerão as construções, apresentações e competições entre drones anualmente. A primeira HeliDesign está prevista para 2017 e a expectativa de todos os envolvidos é a melhor possível.

Podemos dizer que o HeliDesign é um “filho” do AeroDesign evento similar mas com foco tecnológico diferente. O Aerodesign visava as estruturas e aerodinâmicas dos drones. Já o HeliDesign, tem como objetivo a criação de sistemas inteligentes de bordo.

Etimologicamente a palavra inteligência deriva da junção de outras duas: Intus (entre) e legere (escolher), ou seja,  segundo a sua origem a palavra inteligente significa “fazer a escolha certa”.

Nada mal hein? Considerando esse fato juntamente com a exigência em sistemas inteligentes de bordo para os drones, seria muito inteligente se a competição também escolhesse priorizar a construção de drones a preços mais acessíveis.

Uma vez que grande parte do ensino tecnológico no Brasil é público, criar drones a preços mais baratos parece ser quase que uma exigência natural de eventos nesse nível.

Imaginativa que sou, adoraria ver pronto um drone no melhor estilo “berrador do Harry Potter”. Já pensou poder mandar via drone um “JÁ PRA CASA!” para os  filhos no meio da balada ou pro maridão na interminável cervejinha depois da pelada de domingo? Bastava chegar o drone voando, descer uma tela com um vídeo e o recado para o destinatário. Seria o fim da insônia de nós mães e do eterno requentar do almoço de domingo para as esposas.

Bem, eu cá da minha janela virtual vejo que seria um sucesso.

E você? Qual o drone que falta na sua vida?

Comenta aí! O evento é só ano que vem. Vai que…

Beijo me clica!®