Sou arquiteta formada há 15 anos. Na época em que estava na faculdade (por volta de 1998) fiz o curso de AutoCad e consegui meu primeiro estágio. Alguns amigos que sabiam disso, começaram a me indicar para outros escritórios para trabalhos freela. Desde então, comecei a fazer freelas de arquitetura mesmo trabalhando fixo em escritórios.

Em 2009, saí de um escritório e resolvi me dedicar full time à carreira freelancer. Investi em fazer um blog/site, divulgar por email, Facebook, Twitter, fiz lista de clientes etc. Realmente deu resultado! Alguns clientes novos começaram a aparecer porque viram o site, ou o email que enviei. As pessoas precisam saber que você está oferecendo um serviço para poder te contratar – divulgação é tudo!

freelas-de-arquitetura

 

Como é o trabalho de um arquiteto freelancer?

O processo do trabalho, imagino que seja o mesmo de diversas outras áreas: o cliente entra em contato, passa o escopo do seviço e eu faço uma proposta por escrito com prazos, descrição do trabalho detalhadamente, valor, número de revisões e número de reuniões. Acho de extrema importância isso para a tranquilidade de todo processo. E é um documento para nos proteger de “maus pagadores”.

A questão de revisões sempre é algo que pega para os trabalhos freela… o cliente muda de ideia, lembra de coisas e por aí vai. Por isso, coloco em proposta o número de revisões. Mas claro, o cliente “sempre tem razão” e para não perdê-lo, tenho minha margem de segurança, inclusive no preço, considerando que vão rolar “extras”.

Do rascunho ao projeto final, fazer freelas de arquitetura engloba várias tarefas

Quando se trata de arquitetura, existem muitos trabalhos que podem ser vendidos: passar a limpo (do papel para o Cad) desenhos dos escritórios, fazer ilustrações, maquetes eletrônicas, plantas humanizadas, projeto executivo, detalhamento, levantamentos (de dimensões e fotográfico) de imóveis para reformas etc. De forma geral, os clientes são de pequeno e médio porte. Os escritórios grandes geralmente tem estrutura bem definida e terceirizam mais a parte de 3D.

A outra face do trabalho freelancer é quando clientes diretos (os que querem fazer o projeto, não o escritório de arquitetura) começam a entrar em contato. Aí vem a a decisão sobre crescer, ter outras pessoas para ajudar, enfim… o cliente final, toma muito mais tempo do que o freela para os escritórios.

Prazo e qualidade para mim são essenciais no meu trabalho. A confiança gerada no cliente faz com que ele indique para outros colegas – e uma boa indicação não tem preço! Networking!!

O que posso dizer é que ser freelancer tem suas delícias! Ser dono do próprio tempo, poder dizer sim ou não para os clientes, ir ao cinema à tarde e ficar até a madrugada para terminar um trabalho… A parte ruim, é não ter férias remuneradas, e não ter certeza de quanto vai ganhar a cada mês. O stress até existe trabalhando por conta, mas é infinitamente menor do que quando temos que responder para os chefes os prazos que eles escolheram!

Acabei de fazer uma nova configuração para meu blog/site e estou voltando a entrar em contato com novos escritórios através de email. Recentemente fechei um novo trabalho por causa de email enviado fazendo “minha propaganda”. O site novo é este aqui: arquiteturafreela.com Simples e direto! Espero a visita de vocês por lá!

E você arquiteto? Como prefere trabalhar: na “segurança” do emprego fixo, ou gosta da liberdade de ser freela? Quais são suas estratégias de divulgação e alcance de novos trabalhos? Compartilhe com a gente!