No excelente filme Meia Noite em Paris (2011, Woody Allen), o roteirista de cinema Gil (Owen Wilson) vive um dilema criativo dos mais interessantes: não gosta do que faz porque sua época, ele julga, não tem o glamour dos anos 20. Seus roteiros são um desperdício de talento. Embora o sustente.

Em um arroubo de realismo fantástico típico desse diretor novaiorquino, Gil pega carona em um antigo coupé Peugeot e, claro, vai parar na Paris de sua época preferida, encontrando e confabulando com seus mestres, como casal Fitzgerald, COle Porter, Ernest Hemingway e tantos outros.

A trama se desenrola nos apresentando como síntese a incapacidade do ser humano viver a plenitude de seu tempo quando preso aos males da nostalgia. Esse sentimento acaba por pintar a realidade de cores mais fortes e vívidas do que a plena experimentação do presente (única realidade possível) nos deixa perceber. Para alguns é um meio de vida, para outros prisão ou ainda motivo para festas temáticas de gosto duvidoso.

Ficando ainda no ambiente cinematográfico, em Vanila Sky (Cameron Crowe, 2001), acompanhamos o passeio alegórico de David Aames (Tom Cruise) por suas lembranças e desejos ocultos. Seria sua vida um conjunto de memórias construídas? Como delas se libertar e o que isso tem de bom ou ruim? Mais uma vez, sob certo aspecto, revisitamos o conceito de nostalgia como um estaca no coração do tempo, impedindo-o de passar.

ff83_Base-Slider-FF-640-x-303

Usei esses dois exemplos cinematográficos como forma de exemplificar esse curioso episódio da meia-hora mais valiosa do seu dia, porque ele é, em si, off-topic. Nos soltamos em discussões além das dicas pontuais, indo fundo no sentimento nostálgico.

Não é uma análise corroborada por especialistas em qualquer atividade humana que não a Comunicação, o Design e as Artes. Só por isso valiosa. E, em função disso, limitada ao nosso fazer. Mas, mesmo assim, um prato cheio para você se questionar se é ou não nostálgico e o que esse comportamento impede sua plenitude como ser humano e profissional.

Agora é dar o PLAY ou fazer o DOWNLOAD.

Linkania

~> Faça seu cadastro da FreelaStore
~> Assine nosso canal no Youtube
~> Siga O Curador Sabe

Participaram desse episódio

~> Mauro Amaral: editor-chefe do Carreiraolo.org e diretor de criação da Contém Conteúdo
~> Carolina Vigna-Maru: editora do Carreiasolo.org e ilustradora que pode ser encontrada no lagartixa.org
~> Cristiano Santos: design multifuncional, videocaster e publicando sempre no cristianoweb.net

Ficha técnica do #falafreela83

Gravado em 08/04/2013, mas com o olho atento para o presente.
Você ouviu ao fundo: algo de trilhas sonoras de desenhos clássicos e uma inevitável citação da década que não nos abandona, com “Tic-Tic Nervoso”.

Gostou? Discordou? Sentiu saudade “do seu tempo”? Então comenta logo abaixo, na FanPage, no Google+ e no Pinterest!